Comunicação Popular: dando eco às vozes de todos os cantos

3º Curso de Comunicação Popular (6)

A dificuldade de dar eco às pautas de espaços distantes dos grandes conglomerados de comunicação foi apontada pelos participantes da mesa ‘Pés no chão e mídias na mão: próximos passos na construção da comunicação popular no Panará’.

Diretor do Sindicato dos Jornalistas do Paraná, em Cascavel, Julio Carignano apontou a dificuldade de levar o debate da Comunicação Popular para as cidades distantes dos eixos da capital. “No interior do Estado é onde se potencializa aquela lógica do coronelismo midiático”, aponta.

3º Curso de Comunicação Popular (3)

Julio Carignano, Diretor do Sindicato dos Jornalistas do Paraná (Sindijor), fala da dificuldade de dar visibilidade aos fatos que acontecem no interior do estado.

Segundo ele, é comum a propagação de discursos tendenciosos, preconceituosos e mentirosos por parte dos veículos de comunicação comandados pelas mesmas famílias. Também é comum a constante criminalização de movimentos sociais e indígenas da região.

“Alguns exemplos são engraçados, mas é catastrófico porque tem gente que acredita nesse tipo de discurso”, avalia.

Para Ednubia Ghisi, também integrante do Sindijor e jornalista do Centro de Formação Urbana Rural Irmã Araújo (Ceguria), a falta de visibilidade das pautas de cidades mais distantes de Curitiba reflete também o que acontece no cenário nacional: a cobertura midiática acaba sendo concentrada nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro, onde se encontra a sede dos grupos de comunicação de maior alcance no país.

“Além disso, o que a gente sabe sobre as lutas da América Latina, se a gente for comparar com o que a gente sabe dos Estados Unidos e da Europa?”, questiona a jornalista, destacando a necessidade de uma comunicação que discutida aspectos das diversas regiões do globo terrestre.

Por isso, Ednubia indica que fazer Comunicação Popular é uma forma de democratizar a mídia, que significa também romper com o monopólio. “Os grande conglomerados de Comunicação interferem diretamente na nossa luta”, avalia.

Construção coletiva

3º Curso de Comunicação Popular (4)

Ednubia Ghisi, integrante do Sindijor e jornalista do Cefuria, fala sobre a necessidade de fazer comunicação popular como forma de democratização da mídia.

A jornalista Ednubia Ghisi também indicou a necessidade de estar refletindo e aperfeiçoando constantemente a forma de produzir comunicação popular. Para ela, um dos grandes desafios é alinhar essa forma de produzir informação com a educação popular. “Precisamos multiplicar esse debate”, destaca.

Para a jornalista Joana Tavares, que integra o Quem Luta Educa, é a partir do movimento organizado que se dá as conquistas de direitos e demandas sociais. Segundo ela, é necessário que diferentes categorias compreendam que a pauta de um movimento pode ser também abraçada por outro. É preciso unir diferentes grupos no debate da Comunicação Popular. “Nosso desafio é a articular para levantar nossa voz em pautas concretas”, aponta.

Segundo avaliação de participantes e organizadores do evento, percebe-se um movimento no sentido de ampliar, construir e fortalecer redes de debate da comunicação. Para a integrante da Frente Paranaense de Liberdade de Expressão, Ana Paula Salamon, a realização do evento é um indicativo disso. Para ser realizado, sindicatos e movimentos apoiaram de forma efetiva de diversas maneiras. “Isso é exemplo danado de como o discurso vem sendo interiorizado por esses grupos. Nesse sentido cenário é positivo”, avalia.

Joana Tavares, jornalista da articulação Quem Luta Educa, de Minas Gerais.

Joana Tavares, jornalista da articulação Quem Luta Educa, de Minas Gerais.

Outra participante também destacou a importância de iniciativas como a proposta no Curso de Comunicação Popular do Paraná. Segundo ela, o encontro foi muito estimulante, e deve servir de base para ampliação dos debates nas diferentes cidades e regiões do estado e do país. “Nossa cabeça está fervilhando de ideias”, conta.

Para ajudar na necessidade de constante aprendizado nesse campo, ficou indicado o desejo de formação de um grupo de estudos sobre Comunicação Popular. Caso esse grupo de concretize, os participantes do Curso devem receber em seus e-mails convite para as atividades.

Carta em repúdio à criminalização a acampamentos rurais no Paraná

3º Curso de Comunicação Popular (7)

Ao final do encontro, foi produzida a Carta do 3º Curso de Comunicação Popular do Paraná em repúdio à criminalização a acampamentos rurais no Paraná, que denuncia com a forma com que veículos de comunicação retratam movimentos sociais no estado. Exemplo disso é a constante criminalização do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), na cobertura midiática que está sendo realizada para os constantes ataques e conflitos nos acampamentos Dom Tomás Balduíno e Herdeiros da Terra 1º de Maio.

“Desde a ocupação da área, os meios de comunicação da região frequentemente criminalizam o Movimento Sem Terra, a Araupel como empresa multinacional usa também de cooptação, buscando comprar os meios de comunicação da região para diariamente criminalizar as ocupações na região”, indica a carta.

>> Leia a carta completa aqui.

Pés no chão, mídias na mão!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*